Skip Navigation Links
Início
Contactos
Concerto memorável da Orquestra Clássica do Centro em Febres
No dia 5 de outubro
Concerto memorável da Orquestra Clássica do Centro em Febres
Cerca de 500 pessoas assistiram ao concerto que a Orquestra Clássica do Centro realizou no Pavilhão Multiusos de Febres, em 5 de outubro, assinalando a celebração do 108.º aniversário da Implantação da República. Sob a direção do maestro titular Jan Wierzba, estiveram em palco a soprano Marina Pacheco e mais de 50 músicos, incluindo 18 instrumentistas de bandas filarmónicas convidadas, entre as quais a Phylarmonica Ançanense, a Filarmónica de Covões e a Associação Musical da Pocariça, que integraram aquela prestigiada formação orquestral como músicos convidados, tal como prevê o projeto OCC Convida no âmbito do programa 'Coimbra Região de Cultura', promovido pela CIM - Comunidade Intermunicipal Região de Coimbra. 

A atuação da Orquestra Clássica do Centro em Febres decorreu nesse âmbito, ao abrigo de um protocolo de cooperação celebrado para o efeito com o Município de Cantanhede e que neste caso envolveu também o apoio da Junta de Freguesia de Febres e da Gira Sol – Associação de Desenvolvimento de Febres.

Durante o concerto foram interpretadas algumas obras emblemáticas do repertório clássico, entre as quais a Abertura da Ópera La Gazza Ladra (Gioachino Rossini), Dança Hungara n.º 1, de Johannes Brahms, Dança Eslava n.º 8 (Antonín Dvorák), Valsa do Imperador (Johann Strauss II) e Pompa e Circunstância n.º 1 (Edward Elgar).

Além da participação dos músicos das filarmónicas do concelho, o envolvimento local no espetáculo ganhou ainda maior expressão com a participação do coro Pequenas Vozes de Febres na execução de algumas peças, como Can Can, de Offenbach, e Toreador, da Ópera Carmen, da autoria de Georges  Bizet.

Além do concerto da Orquestra Clássica do Centro, o projeto "Coimbra Região de Cultura" previsto no âmbito do protocolo da CIM - Região de Coimbra com o Município de Cantanhede contempla várias outras ações culturais de índole diversa ao longo dos próximos meses.

Cofinanciado pelo CENTRO 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), a iniciativa está “estruturada em três ciclos temáticos anuais, que consubstanciam a criação, desenvolvimento e implementação de diferentes “camadas” da rede de programação intermunicipal. A sua concretização assenta na organização de um conjunto diverso de atividades, tendencialmente distribuídas ao longo de vários fins-de-semana, de sexta a domingo, nos dezanove municípios da Região de Coimbra, contribuindo, assim, para o alargamento da estada média dos visitantes e turistas”.

Sobre a Orquestra Clássica do Centro
A Orquestra Clássica do Centro (OCC) apresentou-se pela primeira vez, enquanto orquestra profissional, em dezembro de 2001, na altura com 25 elementos e com a denominação de Orquestra de Câmara de Coimbra. Em 2002, a Orquestra passou a ser composta por 32 elementos, sendo esta a sua atual constituição. Em 2004 alterou a sua designação para Orquestra Clássica do Centro.
Do seu historial destacam-se os concertos que tiveram lugar em monumentos arquitetónicos. Passou ainda a contar com o contributo solístico e de regência de notáveis figuras do nosso panorama musical como José Eduardo Gomes, Cesário Costa, Rui Massena ou Luís Carvalho, encontrando também meios para, pontualmente, produzir concertos com uma densidade tímbrica e orquestral sinfónica.
Também tem vindo a multiplicar a atuação de formações de câmara (trios, quartetos e quintetos, entre outras), disponibilizando assim um leque variado de programas/repertórios, em função das circunstâncias e / ou locais. Organizou concursos, conferências e festivais para além das atividades exclusivamente concertísticas.
Ao longo destes anos, a OCC tem realizado o seu trabalho ininterruptamente. Em maio de 2014, deslocou-se a Cabo Verde, a convite do Ministro da Cultura de Cabo Verde Mário Lúcio de Sousa que declarou a Orquestra, além de "fundadora da Orquestra Nacional de Cabo Verde", como sendo parte integrante desta. Em janeiro de 2016 a OCC esteve presente e atuou na cerimónia de inauguração do Museu do Tarrafal. Editou vários CD e livros. Enquanto associação, a OCC tem ainda a responsabilidade da gestão cultural do Pavilhão Centro de Portugal (local da sede da OCC). 1, Escolas de Música e outras Instituições como sejam a Universidade de Coimbra, o IPC, o ISCAC, Escola Superior de Enfermagem de Coimbra ou ESART. Tem o apoio do Diário As Beiras, do Diário de Coimbra, Notícias de Coimbra, RTP e Antena 1, para além de empresas como a Bluepharma, ASCENDUM ou PLURAL. Em fevereiro de 2016, além da sua direção artística geral, apresentou a direção artística estratégica de que fazem parte nomes como Vasco Martins, Andrew Swinnwerton, Luís Tinoco, Mário Alves ou Marina Pacheco. É atual maestro titular desta orquestra, Jan Wierzba. Em julho de 2013 foi agraciada com a Medalha de Mérito Cultura da Cidade de Coimbra. Em 2018 comemoramos o nosso 17.º aniversário.

MAESTRO TITULAR DA ORQUESTRA CLÁSSICA DO CENTRO
Sobre JAN WIERZBA

Natural da Polónia e educado no Porto, Jan Wierzba tem se destacado como um dos mais promissores diretores de orquestra da atualidade musical portuguesa. É Maestro Assistente da Netherlands Philharmonic Orchestra e do seu Maestro Titular Marc Albrecht, em Amesterdão. Foi nomeado Diretor Artístico e Maestro Titular da Orquestra de Câmara de Almada, sendo também um dos fundadores e Diretor Musical do Ensemble MPMP, agrupamento com o qual tem trabalhado para promover o património musical português de todas as épocas durante os últimos 6 anos. Projetos recentes e futuros incluem programas com a Netherlands Philharmonic Orchestra, Real Filarmonia de Galicia, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra de Câmara de Almada, Orquestra de Câmara Portuguesa, Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra Filarmonia das Beiras, Ensemble MPMP, e Síntese GMC. Frequenta desde abril a Hochschule fur Musik Franz Liszt em Weimar, tendo sido admitido para o grau de Konzertexamen, sob a tutoria de Nicolas Pasquet e Ekhart Wycik, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi Maestro Residente no Operosa Festival que teve lugar na Sérvia e no Montenegro em agosto de 2017. No mesmo ano fez uma série de 3 masterclasses com foco em Ópera sob a tutoria de Carlo Rizzi, ao abrigo da rede ENOA, na Queen Elizabeth Music Chapel, Ópera Nacional Holandesa e com a Orquestra Gulbenkian. Em 2016 teve oportunidade de trabalhar com Bernard Haitink e Lucerne Festival Strings em masterclass, foi Assistente de Maestro de Coro na Ópera Nacional Holandesa e laureado com o 3.º Prémio no Concurso Prémio Jovens Músicos em Direção de Orquestra. Em 2015 foi um dos 5 escolhidos para a Masterclass em Direção de Orquestra com Mathias Pintscher, durante o Festival de Lucerna, um dos 15 jovens artistas convidados a participar na International Community Arts Academy, organizado em conjunto pela Filarmónica de Berlim, London Sympony Orchestra e Festival d’Aix-en-Provence, tendo também participado no workshop Opera in Creation durante o Festival d’Aix-en-Provence.  Trabalhou como assistente de Joana Carneiro, Jac van Steen, Vassily Petrenko, Pedro Carneiro, Marc Tardue, Sir Andrew Davis e Juanjo Mena na Royal Liverpool Philharmonic Orchestra, BBC Philharmonic, Orquestra de Câmara Portuguesa, Estágio Gulbenkian para Orquestra, Orquestra Gulbenkian e Orquestra Sinfónica Portuguesa.  Enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, terminou o Mestrado em Direção na Royal Northern College of Music (RNCM), onde estudou com Clark Rundell e Mark Heron, tendo-lhe sido atribuído o Mortimer Furber Prize for Conducting.  Licenciou-se em direçao de orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra sob a tutoria do Maestro Jean Marc Burfin. Participou em várias masterclasses com personalidades como Neeme Jarvi, Jorma Panula, Juanjo Mena, Nicolas Pasquet, Sir Mark Elder e Paavo Jarvi, entre outros. Licenciado em Piano pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo em 2009, no Porto, na classe de Constantin Sandu apresentou-se enquanto solista com orquestra, em recital e música de câmara. Foi vencedor do 1.º Prémio em Música de Câmara do Prémio Jovens Músicos em 2006, é detentor do prémio do Rotary Club da Foz atribuído a 3 dos melhores licenciados da ESMAE, tendo-lhe sido atribuída a bolsa da Yamaha Music Foundation for Europe após provas públicas em 2005.

Sobre Marina Pacheco
Iniciou os seus estudos musicais com Pedro Telles e licenciou-se na ESMAE sob orientação de José de Oliveira Lopes. É mestre em Performance Musical pela UCP – Escola das Artes, onde estudou com António Salgado e Sofia Serra. Em 2010/2011 integrou o Vlaamse Operastudio, na Bélgica, sendo bolseira do Programa Leonardo da Vinci e da Robus Foundation. Conta com a orientação de diversos profissionais no seu percurso que contribuíram e contribuem para o seu aperfeiçoamento vocal: Ambra Vespasiani, Ann Murray, Elisabete Matos, Ettore Nova, Fernanda Correia, Francisco Lazaro, Graham Jonhson, Jaime Mota, João Paulo Santos, Laura Sarti, Luciana Serra, Marc Tardue, Muriel Corradini, Nicholas McNair, Patricia MacMahon, Paulo Ferreira, Rui Taveira, Susan McCullogh, Susan Waters e Tom Krause. Nas diversas produções em que esteve envolvida, Marina trabalhou com encenadores e coreógrafos de renome como António Durães, Catarina Costa e Silva, Clara Andermatt, Cláudia Marisa, Helen Suyderhoud, João M. Freitas Branco, Jorge Loureiro, José Lourenço, Marcos Barbosa, Max Hoehn, Norma Graça-Silvestre, Paula Azguime, Paula Sá Nogueira, Pedro Lamares, Peter Konwitschny, Sílvia Real, Sybille Wilson e Vincent van den Elshout.  Atuou com a Banda Sinfónica da Covilhã, Douru’s Orquestra, Ensemble Contemporâneo do Porto, Ensemble ESML, Ensemble MPMP, Jenaer Philharmonie, Jeugd en Muziek Orkest van Antwerpen, Norrbotten Neo, Orquestra AMFF, Orquestra Artave, Orquestra de Câmara Portuguesa, Orquestra Clássica do Centro, Orquestra Clássica do Sul, Orquestra Gulbenkian, Orquestra da Ópera Estatal de Stara Zagora, Orquestra Sine Nomine, Orquestra Sinfónica do Porto, Portuguese Brass, Sinfonieta da ESMAE e Sond’Ar-te Electric Ensemble. Marina Pacheco apresenta-se regularmente em Portugal e no estrangeiro, no âmbito da ópera, da oratória, da música de câmara e, particularmente da música contemporânea. Tem dois projetos com uma atividade performativa frequente: Marina Pacheco & Olga Amaro e Trio “À la joie…”, que se estrearam, respetivamente, em 2011 e 2017. Em 2016, criou o seu projeto “A Solo” totalmente dedicado à música contemporânea, onde se apresenta com obras a capela ou com recurso a vídeo e/ou eletrónica. Marina Pacheco é elemento da European Network Opera Academies – ENOA – como representante da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa). É membro da Comissão Artística da Orquestra Clássica do Centro. Recebeu o 3.º Prémio e o Prémio do Público no 19.º Concurso Internacional do Estoril (Portugal, 2017), o 1.º lugar no Concurso Stara Zagora (Bulgária, 2016), o 1.º lugar no Prémio Jovens Músicos RTP/Antena2 – categoria de canto nível superior (Por
 

fonte: GIRP   8 outubro 2018

Enviar por email Bookmark and Share

Município

Concelho

Turismo

Notícias
 
Agenda
 
Entidades
 
Documentação
 
Contactos
 

Serviços Online